Home     Notícias     Avril Lavigne     Galeria     WTH Magazine     Avril Lavigne Tour     Contato    

24 de novembro de 2013

Avril Lavigne concede entrevista à Rolling Stone Music.

Em entrevista à revista americana Rolling Stone, Avril Lavigne fala sobre seu 5° álbum autointitulado, sobre seu casamento com Chad, sua parceria com Marilyn Manson.

Confira a matéria traduzida:

Spoiler
Avril Lavigne, charmosa, corajosa e de espírito livre faz seu estilo bratty boy-basher a mais de uma década. Sua estreia em 2002 com “Let Go”, catapultou o nativo canadense “good-girl-gone-punk”, com uma voz diferente em um mar de pop homogênio, com hinos adolescentes como “Complicated” e “ Sk8er Boy”.

Agora, com 29 anos, recém-casada com o Vocalista da banda Nickelback, Chad Kroeger e com o seu novo álbum, Lavigne está visando recuperar sua posição no escalão pop. Avril Lavigne se reencontra, mas dessa vez pisando em solo mais maduro. Ela canta mais ou menos um momento Peter Pan, “We’re never gonna change . . . We’ll stay forever young”, “Here’s to Never Growing Up”.

Bad Girl, conta com a colaboração impertinente do seu amigo Marilyn Manson, é surpreendente vê-la brincando com a sua sexualidade “I just wanna be your baby”, “miss me. miss me. now you wanna kiss me”. Kroeger, que também é destaque no álbum, serve como um escritor fundamental e produtor. Como Avril explicou à Rolling Stone, esta união criativa evoluiu o seu caso de amor. Tudo cresceu, permitiu a Avril Lavigne se reintroduzir.

Já faz mais de uma década desde a sua estreia. Por que agora era o momento certo para lançar um álbum homônimo?

O registro é tão diverso e é todo o mapa estilisticamente e liricamente. Eu realmente não poderia encontrar algo que realmente resumisse. Sendo uma década e meu quinto disco só me senti bem com ele. Acho que é apenas a hora de um registro autointitulado.

Como o seu relacionamento com Chad afetou o álbum?

Bem, nós realmente começamos como amigos. Chad, David Hodges e eu. Nós três estávamos escrevendo juntos. Acabamos de fazê-lo, e depois começamos a namorar mais tarde. Foi muito doce, porque em um mês ele propôs o namoro, no estúdio onde nos conhecemos e passamos todo o nosso tempo fazendo o álbum.

Este álbum é instantâneo de seu namoro, de certa forma.

Yep! Mais ou menos, mas é legal. Para mim é sempre tão fácil de voltar a isso, para escrever sobre relacionamentos, caras, confusões e coisas assim. Este álbum não é assim. É bom porque são assuntos diferentes. Como “Rock ‘N Roll”, “Hello Kitty”, ” 17″ é nostálgico. Eu tenho um par de canções de amor. Liricamente, é um pouco diferente.

“Bad Girl” com Marilyn Manson foi inesperado. Como isso aconteceu?

Foi muito legal. Como eu estava ouvindo a música, eu pensei “Manson mataria isso!” Então, eu liguei para ele. Ele veio as quatro da manhã…

Eu amo que você tenha Marilyn Manson na discagem rápida…

Funcionou! Era para ser. [risos] As coisas nunca são tão fáceis quando você está tentando se reunir com alguém. Ele poderia estar em qualquer lugar do mundo. Ele tem sido um amigo meu desde que eu tinha 18 anos. Fui ao seu show em Toronto e nos conhecemos nos bastidores. Nós tornamos amigos ao longo dos anos. Eu o respeito como artista. Ele é um pintor e é realmente um ser humano criativo. Ele sabia o que queria fazer de imediato e acertou em cheio.

Já para não falar, ele ajudou você raspar sua cabeça?

Sim. Depois. Quando eu estava vivendo na França, ele tinha um show, e eu o vi . Ele raspou minha cabeça. Isso é verdade. Eu estava querendo fazer isso a um tempo, mas eu não queria raspar o meu cabelo, então eu sempre quis colocar tranças nele e tipo subir ao palco assim. Então eu estava tipo “Fod*-**. Vou fazer isso.” Foi muito divertido e como não teve quase nenhum trabalho, metade de seu cabelo foi.

Quem diria Marilyn Manson também foi um estilista?

Eu sempre me diverti muito com ele. Ele usa maquiagem. A primeira noite que eu o conheci, ele pintou as unhas. Ele tem todo esse batom vermelho escuro e unha polonesa.

Você ainda visa o eternamente jovem, menino-bashing , menina-skater. Como você concilia isso com o seu casamento, a vida adulta?

É calculado que nada. Eu meio que não me preocupo com o que eu estou fazendo para a música. Eu meio que faço por mim mesma. Eu gosto de ter mensagens fortes nas músicas para os fãs . Eu amo escrever música que é hino e tem uma mensagem poderosa. Eu também gosto de criar música com um significado profundo, que pode alcançar as pessoas emocionalmente em outro nível. Eu tenho ambos os lados para mim.

Te incomoda quando as pessoas lhe categorizam no gênero “teen”?

Musicalmente, é assim que eu comecei, por isso ainda é uma parte de mim. Há um lado de mim em que eu sou um espírito livre, e eu sou espontânea, eu gosto de me divertir. É onde músicas como “Here’s To Never Growing Up” entram em jogo. Não importa quantos anos você tem. É o seu espírito, a sua abordagem. Eu tenho um lado mais sério para mim também.

Então, com quantos anos você se sente agora?

Quantos anos você se sente? Eu não sei. Eu acho que eu sinto que eu tenho 29 .

Nenhum comentário:

Postar um comentário