Home     Notícias     Avril Lavigne     Galeria     WTH Magazine     Avril Lavigne Tour     Contato    

24 de junho de 2013

Avril Lavigne concede entrevista ao jornal britânico The Sun.



O jornal britânico The Sun, fez uma matéria sobre Avril Lavigne. A cantora falou abertamente sobre o cenário musical e como fez para se manter nele, falou sobre o novo álbum e muito mais.

Confira abaixo a matéria traduzida e uma scan da matéria:
As pessoas esperam que eu seja barulhenta e louca como em meus vídeos

Avril Lavigne esteve no cenário musical na última década. A cantora faz parte da invasão dos anos 2000 pelas estrelas americanas incluindo Britney Spears, Christina Aguilera… e o elenco de Dawson’s Creek.
Enquanto vários caíram durante o caminho, Avril que vendeu mais de 30 milhões de álbuns mundialmente, está de volta com seu quinto álbum. Ela gerou um exército de garotas skatistas, como ainda pode ser visto no famoso mercado Camden de Londres em qualquer sábado. Nós conversamos com a original skatista para ver como ela tem se mantido. Com tanta coisa com seu novo álbum, como ela está se adequando no planejamento de seu casamento com Chad Kroeger do Nickelback? 

Eu já estava planejando o casamento. É apenas mais encontros do que o normal, mais emails, mais telefonemas. Mas tem sido bom. Eu disse a mim mesma que há muito o que fazer enquanto lanço um novo álbum, mas aconteça o que acontecer, não o deixe voar, aproveite tudo. Então é por isso que estou tentando fazer. 

Os dois, você e Chad, vem de diferentes tempos do showbusiness, dez anos atrás, quando as celebridades eram diferentes. Como você se sente como se tivesse mudado para você? 

Celebridade é muito maior e há muito mais disso. Há mais artistas lançando mais singles. As pessoas estão realmente querendo assistir as coisas na TV e comprando as revistas. Eu não sei como eu me sinto sobre isso, é parte da nossa cultura agora. Eu acho que há mais paparazzi mas eu me guardo. Fico para mim. 

O que você mais tem visto? 

Câmera de celulares. Eu acho que na primeira vez que estive na Coreia ou Japão quando eu fui com meu segundo álbum, eles nos advertiram sobre câmera de celulares. Eles disseram, se você alguém no público levantando seus telefones, só para você saber, é a câmera deles. Por que nós não tínhamos isso nos Estados Unidos, foi aquela grande coisa. Nós nos falamos para não estranhar, que estavam apenas tirando nossa foto. Porque todos eles iam apenas ficar com seus telefones no ar. Quão estranho é isso? Nós tivemos essa experiência não tendo realmente câmeras em nossos telefones para agora, quando alguém tira foto com isso todos os dias. 
Muitas pessoas do seu tempo desapareceram por causa do mundo das celebridades. Como você tem se mantido? 

Eu tenho trabalhado bastante desde que consegui meu contrato de gravação – foi sem parar. Esse é meu quinto álbum e eu fiz uma turnê em cada álbum. Estar em turnê é muito cansativo e leva de um a dois anos da sua vida. Eu também gosto disso. Eu cresci em uma cidade realmente pequena, e eu trabalhei realmente duro por isso e fiz. Por isso não é algo adquirido. Eu acho que você deve ser cuidadoso quando você é “a estrela”, é tudo sobre você, você, você. E eu sempre tentei separar quando eu estou no palco e eu sou a cantora. Esse é um momento, depois quando eu saio, é outro momento. É por isso que eu parei de morar em LA, porque eu morei lá por dez anos, e quando eu ia para casa depois de uma turnê finalizada e eu fazia coisas como ir comprar doces ou o que fosse, eu nunca saia daquele momento. Eu sentia como se isso não fosse bom para mim se eu continuasse com isso por mais tempo. Agora eu me mudei e estou realmente em casa e todas essas coisas acabam. Quando me mudei para a França por quatro meses no ano passado eu não estava em LA, eu senti como se tivesse esquecido que eu era uma cantora. Eu estava tão em contato comigo mesma que eu percebi que, como LA era grande e que não era bom mais morar lá. E é ótimo porque eu era jovem e eu ia para boates, ser uma estrela do rock, mas agora eu tenho 28 anos e em um local diferente. 

Sua música pode estar em diferente agora também, vendo que vocês todos estão crescendo? 

Liricamente, eu falo mais sobre outras coisas esses dias em vez de músicas sobre garotos e separações. Tipicamente, no passado, era natural minhas músicas serem sobre garotos e amor. Isso é o que a maioria das pessoas escrevem, estar apaixonado ou corações partidos ou festejar. Esses são os assuntos principais. Então eu me forcei a falar sobre outras coisas. 

Como você está se adaptando, o cenário musical tem realmente mudado desde aquele tempo? 

Mudou bastante – a rádio era realmente rítmica e urbana e orientada. Eu vim de um som mais pop rock, eu tive que achar um jeito de me encaixar de alguma forma. O estado da música agora é muito orientada, dança moderna. As vezes com aquele tipo de música você tinha que ser um pouco cuidadoso porque não dura muito tempo e eu sempre tento fazer com que minhas músicas signifiquem alguma coisa. Você tem que ser cuidadoso em mudar muito porque as pessoas se apaixonam com você e eles querem que você permaneça daquele jeito. Se você faz exatamente o que o som era, depois você soa como todo mundo. As pessoas que seguem as tendências e tiram todos os outros sons, eles começam a soar do mesmo jeito. 

Quão diferente foi para você depois, voltar nesse negócio mudado com um novo álbum? 

É bom porque está sendo lançado internacionalmente, o que é muito importante para mim. Nós realmente nos divertimos fazendo isso. O álbum é diversificado – há muitas músicas que tem esse tom significativo e um significado profundo neles. Há baladas, há algumas de meio tempo e há uma música pesada que é tem mais guitarra. 

Como foi voltar aos estúdios? 

Foi muito trabalho duro e longas horas, 12, 14 ou 16 horas por dia. Então, nós basicamente vivíamos no estúdio. Temos trabalhado o dia inteiro até as 2, 3 ou 4 horas da manhã – as vezes saímos até mesmo as sete horas da manhã. Mas muitos músicos trabalham de noite e ficam acordados até tarde e é quando eles criam. Depois eu tinha que voltar ao meu quarto de hotel, comer e caia no sono. Embora nós estivéssemos em LA por anos, eu não podia me encontrar com ninguém para jantar, fazer compras ou fazer nada. Eu não podia responder emails, eu realmente não falei com as pessoas no telefone e meus amigos estão “Por que você não quer sair?” 

Qual é o maior equívoco sobre você? 

Que eu sou uma garota louca. Para mim, eu falo agora mais do que eu já fiz, porque sou mais velha e mais confortável comigo mesma. Mas no passado quando eu era adolescente, era sempre uma só palavra como resposta – sim ou não. As pessoas esperam que eu seja mais extrovertida e louca, porque é como eu sou em meus videoclipes – pulando por todo o lado e cantando. Mas na verdade eu sou muito mais madura e quieta. Quando a música acontece, eu trabalho para o público. É parte de ser uma cantora, ter certeza que todos que estão tirando um tempo para estar nos shows tenham o melhor momento.
 

Também foi divulgado um vídeo onde a entrevistadora possui 60 segundos para fazer perguntas para Avril.

Confira abaixo:

Carolina: Olá, sou a Caroline do Bizarre e estou com a encantadora Avril Lavigne. Ela vai tentar responder ao máximo de perguntas num período de 60 segundos.
Como é que se chama o teu single?
Avril: Here's To Never Growing Up.
Carolina: É sobre o quê?
Avril: Nunca querer crescer! (risos)
Carolina: Qual é o teu programa de televisão favorito?
Avril: Hmm... Eu não tenho um.
Carolina: Certo. Quem é sua paixonite célebre?
Avril: Chad Kroeger!
Carolina: Qual é a melhor coisa de ser famosa?
Avril: Poder... Isto significa que estou vivendo o meu sonho, que é a música.
Carolina: Qual é o teu sabor de pizza favorito?
Avril: Azeitonas verdes e cogumelos.
Carolina: Quais produtos de cabelo você usa?
Avril: Hm... Eu uso tantos! Mas gosto do cheiro do Herbal Essences.
Carolina: Última pessoa que beijou?
Avril: Dei um beijo de despedida ao Chad no aeroporto, quando ele me deixou aqui, no outro dia.
Carolina: Última vez que chorou?
Avril: Hmmm... Eu não me lembro! Por isso é uma coisa boa...
Carolina: Não choras, Avril?
Avril: Não, eu choro, eu choro, sou uma mulher!
Carolina: Tem alguma fobia?
Avril: Não gosto de aranhas!
Carolina: Ninguém gosta de aranhas! Brilhante. Foram 10 perguntas. Muito obrigada, Avril!
Avril: Obrigada!
Carolina: Foi bom conhecer-te!
Avril: Também foi bom conhecer-te!

Nenhum comentário:

Postar um comentário